Você sabia que as eleições estão chegando?

00 dias

00 horas

00 min

00 seg

Quanto antes você começar seu planejamento, mais chances de sucesso!

Blog

O poder das redes sociais invade estruturas e transforma atitudes

*Texto extraído da coluna semanal do nosso diretor Ednelson Prado no portal Meon

Reinaldo Rueda é o novo técnico do Flamengo para o restante da temporada. Claro que você deve estar me perguntado o que isso tem a ver com a coluna de hoje? Tudo, afinal, a contratação do técnico colombiano traz, mais uma vez, à reflexão o poder das redes sociais nos mais diversos segmentos da nossa sociedade.

Desta vez, quem dá o tom da força das ferramentas digitais é o futebol, que já havia dado outros exemplos, como no caso de contratos que foram desfeitos ou sequer assinados por conta da manifestação da torcida que resgatavam nos canais proprietários dos jogadores declarações ou postagens antigas e que colocavam em xeque sua relação com o clube no qual estava prestes a atuar. Foi o caso do atacante Getterson que seria contratado por empréstimo pelo São Paulo, no ano passado, e acabou tento o contrato rescindido pois havia criticado a torcida tricolor em postagens no twitter em 2013.

A pressão da torcida acabou fazendo com que os diretores do clube cancelassem o acordo com o jogador.

O caso mais recente e que merece nossa análise envolve o clube de maior torcida do Brasil, o Flamengo, e não se restringe a um caso isolado como o de Getterson. Pelo contrário, por mais que a diretoria diga que não toma decisões pautadas pelas redes sociais, os fatos registrados nos últimos meses mostram o contrário.

Everton Ribeiro foi uma oportunidade que o clube aproveitou, mas a torcida incentivou bastante sua contratação via redes sociais. Numa relação direta com o atleta. Depois tivemos várias alterações no time titular promovidas pelo então técnico Zé Ricardo a partir de reclamações dos torcedores via redes sociais, sendo o caso mais claro o da saída de Márcio Araújo do time titular contra o Vitória, no jogo que resultou na demissão do treinador.

A contratação do goleiro Diego Alves foi outra demonstração da força da torcida nas redes sociais. Insatisfeita com as falhas de Muralha, o torcedor pressionou a diretoria a contratar o goleiro que atuava na Espanha.

Por último, e mostrando todo o seu poderio de engajamento e de mobilização, a torcida pediu a contratação do técnico que chega ao Brasil no fim de semana para um contato até o final do ano que vem. Com o uso da hashtag #RuedaNoFlamengo, a torcida invadiu as redes sociais do clube e do treinador, que, com certeza, ficou surpresa com a movimentação e que deve ter despertado nele, no mínimo, a curiosidade quanto ao clube e facilitado seu aceite ao convite feito pela diretoria.

Nada disso pode ser apontado como acaso. Mesmo porque, vários torcedores ameaçaram pelas redes sociais cancelar o programa sócio torcedor, caso não houvesse mudança no comando da equipe. E a diretoria tem em mente o quanto o programa é importante para o equilíbrio financeiro da agremiação.

Por isso, com certeza, as redes sociais e a mobilização da torcida foram fatores essenciais em todos esses casos, por mais que a presidência do clube negue.

E não há o que negar, as redes sociais estão aí, elas descentralizaram o poder. Tolo daquele que acha que não está cometendo um grave erro, seja ele empresário, diretor de clube ou político, quando ignora as opiniões, críticas ou sugestões do seu público por meio das redes. Não há como fugir dessa realidade, pelo contrário, é importante entende-la para utilizá-la da melhor forma possível.

Não se deixe levar pelo pensamento de que ao dar atenção e tomar decisões pautadas no comportamento de seu público alvo nas redes sociais você vai ficar refém dele. Pelo contrário, é usar as redes como aliada para aprimorar produtos e serviços e, desta forma, melhor atender seu público, fideliza-lo e tê-lo ao lado pelo maior tempo possível ao longo de sua jornada.

Não sabe como? Pesquise, estude, leia, faça cursos, mas se insira – caso ainda não esteja dentro – nesse ambiente digital. Há muito que isso deixou de ser uma opção, hoje é algo tão natural quanto necessário. Se você ainda não se atentou a ele, está perdendo tempo e, provavelmente, oportunidades e dinheiro.

Como dica de leitura, deixo “Marketing 4.0, do Tradicional ao Digital”, de Philipe Kotler, Hermawan Kartajaya e Ivan Setiawan. Tenho a certeza de que ao ler o livro você irá compreender melhor todas essas mudanças que acontecem à nossa frente, diariamente.